Você que tem conta em banco, usou o cheque especial, fez algum seguro, financiamento, ou não pagou a fatura do cartão de crédito em dia, já deve ter ouvido falar e até mesmo pagou o tal IOF. Mas você sabe o que é o IOF, sobre o que ele incide e como ele é calculado? Vamos Ver? O IOF é um imposto sobre operações de crédito, câmbio e seguro, ou operações relativas a títulos ou valores mobiliários. Ele é pago tanto por pessoas físicas quanto por pessoas jurídicas e o total do dinheiro arrecadado vai para o governo federal, o qual destina 2% para Custeio do Banco Central e o restante para formar um fundo monetário, uma espécie de poupança do país. O governo utiliza o IOF também como um indicador de controle da economia, pois um aumento na sua arrecadação significa que a demanda de crédito cresceu, mas também outros indicadores são possíveis de se apurar. O IOF será sempre pago em operações financeiras e de crédito, como: empréstimos, financiamentos, antecipação de recebíveis, tanto realizados em instituições financeiras, bancárias, quanto em factorings. Também será pago o IOF em operações de câmbio, seguros, operações com ouro e títulos de valores, que são por exemplo as ações de empresas, os CDBs, os Fundos de Investimentos, entre outros. Apenas não vão pagar o IOF as empresas mantidas pelo poder público, as igrejas e os partidos políticos, as entidades de educação e de assistência social e os sindicatos de trabalhadores. Mas e ai, vamos ver como o IOF influi no seu dia a dia ? Digamos que você use o cheque especial, na seguinte situação: Você tem um limite de R$ 3.000,00. No dia 05, usa R$ 1.000,00 do limite, ai você paga 0,38% de IOF e mais 0,0082% por dia enquanto estiver usando, ai no dia 10, usa mais R$ 1.000,00, ai você paga novamente 0,038% sobre os 1.000,00 mais os 0,0082% ao dia. Resumindo, paga 0,38% cada vez que pegar dinheiro do limite e mais 0,0082% ao dia enquanto não devolver. Se você não pagou a fatura de cartão de crédito em dia, então você pagar 0,38% sobre o valor que deixou de ser pago, mais 0,0082% ao dia, até o teto máximo de 3,00% que equivale a 365 dias. Se você foi para o exterior e fez compras em dólar no seu cartão de crédito, débito ou de viagem, você vai pagar 6,38% de IOF sobre o valor gasto. Mas você comprar Dolar, para levar em espécie, também vai pagar o IOF de 0,38% sobre o valor na compra. Se você contratar um seguro de vida vai pagar 0,38% sobre o prêmio, que é o valor que você paga a seguradora pelo seguro e no caso de automóveis e os demais bens, o valor é de 7,38% Se pegar um empréstimo, irá pagar 0,38% por tomar o valor, mais 0,0082% multiplicado pelo número de dias até o pagamento, limitando-se a 3% ano. O IOF é pago na contratação. Veja o exemplo: Se pegar um empréstimo de R$ 1.000,00 para ser pago em 6 meses, ou seja 180 dias, vai pagar R$ 3,80 por ter pego o empréstimo, mais 0,0082 % x 180 dias = que dá o total 1,47 % pelo prazo do financiamento, o que em reais dá R$ 14,70, de IOF no total 18,50 Se você comprar ouro, paga 1% de IOF sobre o valor da operação. Se você aplicar em CDB ou fundos de curto prazo, pagará IOF de 1% sobre o rendimento, se sacar o valor antes de 29 dias. Ou seja, aplicou em um dia, sacou no outro, paga 0,96%, assim vai até zerar em 29 dias. Tudo muito simples não é !? Assim é o sistema tributário brasileiro, e o IOF é apenas um dos 92 tipos diferentes de tributos que existem. Mas, vale a apena saber quanto e por se paga. Robson Pezzini
0 comments
0 comments