Hoje eu vou falar contigo sobre um termo muito comum no universo empresarial, o Custo Fixo. Você sabe o que é o custo fixo? Como ele pode influenciar na sua empresa? Como fazer uma boa gestão desses valores? Confere ai, pois é um indicador muito importante da gestão financeira. Em uma empresa basicamente podemos dividir os custos em duas modalidades. Os custos fixos e os custos variáveis. Em uma definição bem simplista, os custos fixos são aqueles que vão acontecer independente do movimento de vendas ou da produção industrial. Já os custos variáveis, são aqueles que dependem de determinada movimentação de vendas ou produção para existir, como por exemplo, a mercadoria, a matéria prima, os impostos, as comissões, as despesas com vendas e por ai vai. Pode-se dizer que os custos fixos já estão na sua empresa no primeiro dia do mês ao abrir as suas portas, independente do que vai acontecer. Por mais que o nome seja custo fixo, não necessariamente quer dizer que os seus valores sejam fixos, e sim a sua natureza. Por exemplo: Energia elétrica é um custo fixo, porém o seu valor pode sofrer alguma variação conforme o consumo mensal. Outros exemplos de custo fixo são: Aluguel, Água, Telefone, Internet, Contador, Sistema, Segurança, Salários, FGTS, Pro-Labore e outros mais de acordo com cada empresa. É muito importante que você meça mensalmente o montante do seu custo fixo. Você vai utilizar esses valores na formação de preços, no cálculo do ponto de equilíbrio, nas projeções de fluxo de caixa e orçamento, basicamente em tudo o que for relacionado a gestão financeira da empresa. Digamos que você venda 100 camisas por mês, à R$ 100,00 cada, e você tenha um custo fixo de R$ 4.000,00. Dessa forma você vai ter uma receita de R$ 10.000,00 com a venda de camisas e os R$ 4.000,00 de custos fixos que vão te representar 40% do seu faturamento. Já se você vender, 130 camisas por mês, à R$ 100,00 cada, você vai ter um faturamento de R$ 13.000,00 e os custos fixos de R$ 4.000,00, o que vai te representar 31% de custos fixos, ou seja, quanto maior o seu faturamento, a sua receita, menor o percentual de representação dos custos fixos. Lembre-se da metáfora “Os custos são como unhas, você tem de cortá-los constantemente”. Conhecer bem a sua estrutura de custos vai permitir fazer cortes naqueles que não são tão eficientes na geração de caixa para a empresa, pois nem todo custo é um mal. Atente-se aos custos que não geram retorno, caixa e os corte ao máximo. Se as vendas da sua empresa, por um motivo ou outro reduzirem, o impacto dos seus custos fixos perto da receita serão maiores. Atente-se também, a margem de contribuição dos seus produtos, que é o valor das vendas, menos o custo da mercadoria e impostos, esse montante em percentual não pode ser menor que o percentual do seus custos fixos, se não, prejuízo. Interesse-se pelos números do seu negócio. Gestão financeira não é tão complicada como parece ser. O que diferencia é a sua vontade de conhecer o seu negócio e a disciplina para organizar e registrar as movimentações. Peça ajuda se for o caso, mas não perca os números de vista. Robson Pezzini
0 comments
0 comments