Ok, tem possibilidade de crise econômica vindo aí e muita gente pergunta: o Brasil vai sofrer com isso? A resposta longa é: depende. A resposta misteriosa é: Botswana e Nova Zelândia. A resposta longa é o resto desse artigo. Vejam só, sempre vai chover. Uma hora ou outra a água cai, a cerveja esquenta, o cotovelo lesiona, o boleto cai. A questão não é se isso vai acontecer e sim o que você vai fazer sobre isso. Sabemos bem o que a Europa ou EUA fariam numa crise: a mesma porcaria de sempre. Nem vale a pena discutir. O que vale a pena discutir é que o brasil PODE, e muita ênfase no PODE, fazer algo diferente e bom, e até sair ganhando na crise. Vai lá, me pergunte o seguinte: se eu tivesse que mover todo o meu capital para um país, qual seria? Seria o Botswana. Por que? Obviamente ajuda que eles falam inglês, mas não é isso. É um país africano ainda pobre, mas em boas vias de melhorar, com uma boa estrutura institucional, legal e financeira, e em vias de melhora. Também dá pra resumir em "comprar na baixa". Não tem muito como ter uma ideia nova na Holanda, a não ser que seja uma startup para revolucionar um mercado. Pense em algo. Ok, já fizeram. Todos os melhores empreendedores do mundo podem ir pra lá e abrir alguma coisa. As margens já estão achatadas, os mercados saturados. Não tem muita oportunidade. É seguro, sim, mas não é o lugar com enormes retornos e oportunidades. É o lugar para ficar de boa. Em vários sentidos. O mesmo vale para praticamente qualquer país europeu. Ok, existem oportunidades, não estou dizendo que acabou tudo, mas eles estão muito claramente na alta. E em vias de baixa. Não é o caso do Botswana. Eles só recentemente botaram a casa em ordem. Existem oportunidades para todo lado, com possibilidade de negociar com países do sul da África em condições de maior liberdade, e um preço baixo em praticamente qualquer coisa. E está bem claro que eles vão conseguir manter a casa em ordem. Agora ninguém sabe quem eles são. É um país quase todo desértico com um puta parque ecológico no norte e umas cidadelas no sul. 2 milhões de habitantes. Mas claro, é o que muita gente pensava de Cingapura nos anos 40. Era só uma favela cheia de puteiros, pescadores e ópio. Hoje eu iria pro Botswana se tivesse que tirar meu capital daqui. Ok, calma lá, talvez eu tivesse que conferir com a minha esposa. Mas o ponto é: é um exemplo de onde as coisas podem dar certo, e de onde ainda tem muito o que fazer. É exatamente o que a Nova Zelândia era nos anos 80. Em 1984 a Nova Zelândia faliu falida. Falida direito, com fitinha e tudo. Inflação alta, dívida fora do controle, estado enorme e interventor, em resumo, o Brasil. Em alguns meses enormes reformas foram colocadas, e uma década inteira de reformas e demolições gigantescas seguiu. O resultado foi uma explosão de crescimento. Antes a Nova Zelândia era conhecida por trigo, ovelhas e tédio. Em alguns anos se diversificaram enormemente e se tornaram referência em muita coisa. Ainda existem oportunidades lá, mas creio que existem ainda mais no Botswana. O que nos leva ao Brasil. E pior que tá é difícil ficar. Guedes pode desapontar. Na verdade eu espero que ele desaponte. O legislativo será fortemente contra qualquer reforma do sistema atual, já que esse sistema existe para servir feudos econômicos, desde a bancada agrícola até servidores públicos. O que o STF fez esses dias, criando 5,3 bi em custos com aumentos do judiciário e mais 4,7 bi de aumentos para funças via uma decisão do Lewandowski é só uma amostra. Mas DIGAMOS, apenas DIGAMOS que a equipe econômica consiga uma demolição econômica. Não é nem reforma, é demolição mesmo. Explosivos, aquelas bolas de aço que a gente vê em desenhos, a festa toda. Não é difícil de pensar como, o difícil é fazer, mas podemos ser um dos 30 melhores países para empreender no mundo em 2 anos. E aí o Brasil será o Botswana. Será o que a Nova Zelândia foi nos anos 80: uma terra cheia de oportunidade, abarrotada de coisas para fazer, transbordando de um mercado precisando de tudo. Qualquer idiota com 500 reais no bolso seria capaz de ganhar dinheiro aqui. E o que é uma crise se não um monte de empreendedores com centenas de bilhões de dólares pensando "e o que raios que eu faço agora?" É o que todo jogador de RPG entende muito bem: quando você está fugindo do dragão, não precisa correr rápido, só precisa correr mais rápido que o anão. Com uma enorme reforma econômica podemos bem fazer a Europa e EUA parecerem anões, países que correm devagar demais, com burocracia demais, com impostos demais, com instabilidade política demais. É difícil? É. Se fosse fácil já estava feito. Mas é possível. Qualquer coisa eu vejo vocês em Gaborone.
6 comments
6 comments