Se você eventualmente acompanha os noticiários, portais, jornais ou revistas, onde o assunto é economia, já deve ter ouvido falar ou lido sobre o termo SELIC. Você sabe o que é SELIC? Sobre o que ela influência? Como é calculada? Confere ai, vou contar para você. O termo SELIC é uma sigla que significa Sistema Especial de Liquidação e Custódia e é um Setor do Banco Central e também e o nome da taxa básica de juros da economia. Esse indicador influencia diretamente em todas as taxas de juros do país, de empréstimos, financiamentos e aplicações financeiras. O Banco Central, através do COPOM (Comitê de Política Monetária) estabelece a cada 45 dias, uma meta para a SELIC, ou seja, um ponto ideal que ela se enquadre no período de 12 meses. Quando o Governo gasta mais do que arrecada, o que é muito comum de acontecer, ele precisa de dinheiro para cobrir as contas. Uma alternativa para conseguir esse dinheiro é recorrer a entidades financeiras, internas ou externas, ou então a pessoas comuns da sociedade, através da emissão de leilões mensais de títulos da dívida pública. E os bancos compram muitos desses títulos. Cada título tem um valor, um prazo e uma taxa de remuneração, ou seja, um juro atrelado a ele. Esse juro pode ser pré-fixado ou pós-fixado, depende do caso. Com a disponibilização desses títulos entra dinheiro no caixa do governo e os compradores ficam com o direito de resgatá-los. Eles geralmente eles tem boa liquidez, ou seja, o Governo paga certinho o resgate deles. Todos os dias os bancos tem que deixar parte dos valores que são depositados nas contas dos correntistas, depositados no Banco Central, no chamado depósito compulsório. Criado para evitar que haja muito dinheiro em circulação. São percentuais que variam de 25% a 34% do total depositado, desses valores, parte não tem remuneração e parte são remunerados pelo Governo, por Selic, juro de poupança. Só que como são várias transações realizadas pelos bancos e o controle instantâneo fica complicado, pode-se chegar ao final do dia e o banco não ter o dinheiro suficiente para fazer o depósito compulsório. Dessa forma, um banco tem que pegar dinheiro emprestado, a curtíssimo prazo com outro banco para fazer o depósito o depósito compulsório. Quem empresta cobra juros sobre essa operação e recebe, geralmente, como garantia do pagamento, títulos do governo. Ai o Banco Central, através do COPOM, verifica quais são as taxas de juros cobradas de um banco para o outro, com operações que tiveram em garantia títulos do governo, faz uma média ponderada e define a taxa Selic Over, e depois define a Selic meta, que tende a ser a menor taxa de juros que existe na economia.Por isso ela baliza as demais operações de empréstimos e financiamentos. O Governo costuma a usar a taxa SELIC para controlar a inflação, pois quando a taxa SELIC sobe, os juros cobrados em financiamentos, empréstimos, cartão de crédito ficam mais altos, o que estimula a queda no consumo de bens e serviços, fazendo com que se controle a inflação de preços. Então se a inflação está chegando ao limite estipulado, uma alternativa é aumentar a taxa SELIC. Quando a taxa SELIC cai, fica mais barato tomar empréstimos e financiamentos, pois as taxas de juros caem e consequentemente isso influencia no aumento de consumo de bens e serviços. O governo também utiliza a taxa Selic para cobrar os juros no atraso de impostos e contribuições, bem como remunera, por exemplo, as restituições de imposto de renda de acordo com esse índice, que geralmente, costuma ser maior do que a poupança. Não é tão simples de entender, mas é importante saber o que é e o quando ela impacta no nosso dia-a-dia. Robson Pezzini
0 comments
0 comments