Ah, o State of the Union, a anual festa de estatice americana. Todos os anos o presidente vai ao congresso dar um mega discurso sobre o que ele acha que está acontecendo no país, o que na prática é um grande evento político de mitagem ou lacração e pouca coisa mais. Amanhã é dia de mais um. E todos os anos o Jeffrey Tucker nos lembra de um ponto extremamente importante: isso é absurdo. State of the Union significa "o estado da nação", como o país está andando, para onde ele vai, de onde ele veio, os problemas, as soluções. Agora pare para perceber o quão absurdo é isso. Um ser humano, político, diga-se de passagem, irá subir no púlpito e dizer como um país inteiro está. Como raios ele consegue saber isso? Como raios esse presidente consegue ter acesso as mentes e corações de mais de 300 milhões de americanos, de milhões de empresas, de milhões de problemas, elencar os mais importantes, e resumir isso em um discurso? Eu não sei nem o estado atual do HD do meu computador. Como que alguém poderia possivelmente capturar e resumir em um discurso a situação inteira de um país? A verdade é que o discurso deveria se chamar "A opinião do presidente sobre o estado da nação". Ou também poderia ser "O que o presidente gostaria que você achasse que é o estado da nação". Na prática é "O presidente fazendo palanque, pago com dinheiro de impostos, com boa parte do país assistindo". E ainda assim milhões de pessoas assistem isso esperando receber algum tipo de iluminação ou insight, alguma orientação de como seguir a visão do grande líder, ou o que eles devem falar contra amanhã, não importa o que aconteça. O State of the Union na verdade é um enorme tributo e exercício do poder místico da presidência, uma cerimônia quase religiosa em homenagem a heresia estatista. O resto é firula.
0 comments
0 comments