O Brasil é um país que valoriza e pratica muito pouco a educação financeira, o resultado disso, são mais de 60 milhões de Brasileiros com alguma conta em atraso ou com restrições de crédito, como SPC e SERASA. A falta de conhecimento e cuidado com o dinheiro, gera além de problemas econômico financeiros, problemas pessoais. Grande parte dos divórcios tem origem relacionada a problemas financeiros. Hoje vou compartilhar contigo algumas dicas a respeito de boas práticas de gestão financeira da parte pessoal, confere ai... A meu ver, grande parte dos problemas relacionados pelas finanças não tem muito a ver apenas com a falta de disciplina e de controles, e sim, pela falta de um objetivo claro e definido, para bem gerir seu dinheiro. Uma pessoa ou uma família que não tem objetivos definidos e compartilhados entre si, não encontra uma razão, ou tem muitas dificuldades para controlar suas contas, ampliar suas rendas ou fazer uma poupança. Então o primeiro passo para uma boa organização financeira é definir seus objetivos, sejam eles, a quitação de dívidas, a compra de um bem, uma viagem ou a tão sonhada independência financeira. Primeiramente defina o que você deseja. Segundo passo é analisar a sua situação financeira hoje, qual são suas fontes de renda e suas despesas e gastos, dessa forma você começa a organizar e definir um orçamento, que deverá ser seguido a risca, pois você tem um objetivos a alcançar e serão grandes as tentações no caminho. Não importa quanto você ganhe hoje, você tem que se organizar. Por que a gestão financeira é uma questão de disciplina e hábito, e hábito você só adquire fazendo, então, quanto mais cedo começar, melhor serão os resultados. Segunda sugestão, é pegar a sua receita, ou seja, seu salário e dividir em 04 partes. Uma parte de 60% para as despesas de manutenção (Mercado, Água, Luz, Telefone, Aluguel, Prestação da Casa e etc...) 20% para você gastar em outras coisas como quiser (jantares, roupas, diversão, lazer) Os outros 20 % você vai fazer duas reservas diferentes, 10 % do valor para o futuro, investimento de longo prazo e 10 % para um investimento de curto prazo, para emergências, imprevistos, férias ou seus objetivos. Quanto mais destinar para os objetivos, mais cedo ele será alcançado. Se você estiver com dívidas, você mantém os 60% para a manutenção doméstica e os 10% para o futuro, sempre, desde já, mesmo que endividado, para criar o hábito de poupar. E os outros 30% você vai utilizar para a quitação das dívidas, até zerar tudo. Capriche na renegociação. Voltando aos objetivos, torne eles visuais, ou seja, se você quer comprar uma casa, cole fotos dessa casa, viste a casa que você quer, faça testes no carro que você quer, veja vídeos dos lugares onde quer visitar. Toda a riqueza e toda a realização de um objetivo começa primeiramente nos seus pensamentos. Pensamentos conduzem a sentimentos. Sentimentos conduzem a ações. Ações conduzem a resultados. Uma atitude mental positiva e um objetivo definido são o ponto de partida para qualquer realização. E claro, coloque prazos para os seus objetivos se realizar. Muitos ganharam milhares de reais em loterias e perderam tudo, apenas por não saber como lidar com o dinheiro. Por isso, você tem que aprender com o que tem hoje. Você não tem que fazer reservas apenas quando tiver dinheiro. Você tem que fazer reservas para ter dinheiro. São dicas muito simples, é necessário aprofundar um pouco mais, mas, é só para a provocação de uma necessidade eminente. A expectativa de vida aumente a cada dia, apenas 1% da população idosa sobrevive sem a ajuda de terceiros e menos de 5 % da população mundial tem situação financeira em equilíbrio. Se liga no presente, se liga no futuro. Robson Pezzini
0 comments
0 comments