=Empresas começam a patrocinar o futebol feminino= Você já deve ter reparado como o futebol masculino e feminino são tratados de maneiras diferentes na cultura brasileira. A repercussão que, não só o futebol, como a grande maioria dos esportes masculinos gera, é muito maior do que a dos esportes protagonizados por mulheres. Por que será? As mulheres seriam mais amadoras, menos ágeis, menos capazes fisicamente falando? Ou faltaria incentivo, inclusive das marcas, para patrocinar e divulgar grandes feitos femininos (perceba, estou abrangendo outros campos)? O Guaraná Antártica acredita que falta incentivo empresarial para enxergar a potência por trás das atletas femininas. Por isso, lançou um desafio, convidando outras marcas a contratarem as estrelas do futebol nacional feminino para fazerem propaganda de seus produtos. Se você tá boiando porque ainda não viu o vídeo, saca só ele aqui: https://bit.ly/2QrOBcb O Guaraná chamou a atacante Cristiane, a meia Andressinha e a lateral-direita Fabi Simões para um ensaio fotográfico simulando a participação em propagandas de diversos segmentos. Outras marcas como a agência de publicidade Almap BBDO, o Boticário, DMCard, GOL e LAY’S foram as primeiras a aderirem a essa proposta, interessadas pelas imagens. As marcas que ainda quiserem entrar no movimento podem enviar mensagem pelas redes sociais da indústria de refrigerante. O valor arrecadado com a venda das imagens será dividido entre as jogadoras e o #JogaMiga, um projeto sem fins lucrativos, que conecta mulheres que querem jogar futebol em todo o Brasil. ___________________________________________ =Google lança museu virtual colaborativo sobre o futebol feminino no Brasil= E por falar em incentivo empresarial, a gigante Google lançou um museu virtual colaborativo sobre o futebol feminino no Brasil. Sabe por quê? Porque o futebol feminino já foi proibido no Brasil. WHAT? Pois é, nem eu, feminista de carteirinha, sabia dessa. De 1941 a 1979, um decreto proibiu o futebol feminino no Brasil. Mas a gente sabe que ele não parou de acontecer, porque a censura nunca é suficiente pra silenciar o amor de ninguém, mesmo que seja pelo esporte, né não? Só que há esse espaço em branco de quase 40 anos sem registros sobre o futebol brasileiro feminino. Mesmo na Google. E dizem por aí que, se não tá no Google, é porque não aconteceu. Motivada a ir atrás de relatos, fotos e notícias sobre o assunto, a Google, juntamente com o Museu do Futebol de SP, lançou no dia 17 de Maio o Museu do Impedimento (que nome genial): https://bit.ly/2Qr3iw2 O site da iniciativa receberá colaborações até o dia 23 de junho; depois, o material ficará disponível na plataforma Google Arts & Culture. O link para enviar contribuições é: https://museudoimpedimento.com/
1 comment
1 comment