A relação entre café e 💩💩 Para muita gente, aquele maravilhoso cafezinho de toda manhã não desperta só o cérebro — ele também serve para acordar um intestino preguiçoso. Não é novidade que beber café costuma ser um santo remédio para quem tem dificuldade de ir ao banheiro. Mas a ciência nunca conseguiu explicar muito bem o porquê desse efeito laxante. A teoria que explicava esse fenômeno sempre girou em torno da cafeína, que seria um estimulante natural dos movimentos peristálticos --as contrações intestinais responsáveis pela movimentação do bolo alimentar, ou melhor, as futuras fezes. Entretanto, um novo estudo, divulgado durante a Digestive Disease Week no domingo (19), em São Diego, na Califórnia, mostrou que talvez não seja só o composto o culpado pelas idas ao banheiro… Eles fizeram isso em ratinhos de laboratório, que tomaram café durante três dias seguidos. Os animais ingeriram tanto a versão normal da bebida quanto a descafeinada. Os pesquisadores examinaram a reação dos músculos intestinais dos roedores e também aplicaram café em tecidos musculares retirados do sistema digestivo dos ratos. Em ambas as abordagens, houve contração da musculatura dos intestinos grosso e delgado após uma xícara do pretinho. Essa movimentação faz as coisas se moverem mais depressa dentro das tripas — e chegarem mais rápido à porta de saída. Os resultados mostraram não só que o café estimula a musculatura de outras partes do intestino, mas também que interfere no número de bactérias vivendo na nossa barriga – a microbiota intestinal. Eles notaram que o cocô dos ratinhos foi expelido com uma quantidade de micróbios menor que o normal. Para checar se isso era verdade, cultivaram as bactérias fecais em placas de Petri e jogaram café. Não deu outra: elas passaram a crescer menos. “Isso é muito interessante, porque significa que o café pode ser um agente antibacteriano, inclusive o descafeinado”. Mas ainda é preciso fazer outras pesquisas – com humanos – para entender de onde vem esse efeito supressor e se ele é benéfico ou não para o organismo.
0 comments
0 comments