Brasileiros criam remédio que reverte overdose E mais uma vez, o dia foi salvo, pela nanotecnologia! Pesquisadores da Universidade Federal de Goiás (UFG) descobriram uma substância que é capaz de capturar a cocaína em circulação na corrente sanguínea, evitar os efeitos da droga e bloquear casos de “overdose”. A farmacêutica Sarah Rodrigues Fernandes, responsável pela criação, disse que a intenção é viabilizar uma forma de que, no momento em que o paciente comece a perder sinais vitais, seja possível ao médico ou ao Samu salvá-lo. A substância é constituída por nanopartículas e pode ser administrada por meio de uma injeção intravenosa. Por meio dela, a pressão arterial e os batimentos cardíacos começam a voltar ao normal em cerca de dois minutos após o uso da injeção. A nanopartícula manteria a droga “aprisionada” em seu interior, não permitindo que a cocaína se difundisse pelo cérebro ou outras regiões do organismo. A comercialização do medicamento depende ainda de parcerias entre a universidade e laboratórios farmacêuticos. O medicamento deverá ser submetido a testes clínicos exigidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), custeados pela indústria. Cara, isso é tão black mirror O uso da nanotecnologia na medicina é muito black mirror. Afinal, tratam-se de nanorobôs (microprocessadores) com medidas em 1 a 100 nanômetros (0.000000001 metros) que executam tarefas em nosso corpo. A aplicação desses robôzinhos se expande por três verbos: monitorar (o sistema biológico humano a nível molecular); diagnosticar (aprimorando a saúde) e solucionar (problemas médicos). Eles são invisíveis ao olho nu e podem ser injetados diretamente na corrente sanguínea ou ingeridos por meio de cápsulas para cumprirem com a sua função dentro de nosso organismo. As funções dos nanorobôs podem ser diversas e muitas ainda existem só na teoria, mas alguns exemplos do que esses danadinhos podem fazer, seria: - colocar microssondas para testes sanguíneos; - eliminar a contaminação; - criar novos processos de limpeza corporal; - regenerar tecidos do corpo; - destruir vírus e bactérias; - desobstruir artérias. Drug Delivery A reversão da overdose funcionaria como uma espécie de “Drug Delivery” ao inverso. O termo “Drug Delivery” consiste em uma prática já utilizada com os nanorobôs que seria o transporte de drogas em nosso corpo para que o remédio chegue até o órgão correto, fazendo com ele produza seus efeitos no lugar almejado. A nanomedicina não somente ajuda a desenvolver novas drogas, mas também as encaminha até o seu destino. Afinal, os canais em que as drogas moleculares passam possuem entre 2.5 e 250 nanômetros e os nanorobôs conseguiriam atravessar esses canais para conhecer seus caminhos e propriedades. Impressionante como parece que a gente já está vivendo no futuro, né? Vamos ver quais outras surpresas essa tecnologia nos aguarda.
0 comments
0 comments