A notícia já é um pouco antiga (tem duas semanas). Mas, salvo engano, não cheguei a publicar sobre ela à época. Por considerá-la importante para uma reflexão que sempre tento levar a meus leitores, resolvi publicá-la e escrever um breve comentário. Vejam, a notícia trata de uma lei que alterou parte da Lei Maria da Penha em - flagrante - benefício ao público feminino que sofre violência doméstica e não pode esperar por uma decisão judicial para afastar o agressor. Embora seja criticada por profissionais mais "legalistas", que entendem que somente uma decisão judicial poderia afastar um agressor, a modificação sancionada por Bolsonaro é, em meu entendimento, uma luz àquelas mulheres que, em perigo eminente, não podem esperar o retorno muitas vezes moroso do judiciário. É bom ressaltar, ainda, que até Temer teve a possibilidade de aprovar a medida e não fez. Futuramente, escreverei mais sobre o tema. No momento, apenas adianto minha concordância com a medida e minha parabenização ao presidente Jair Bolsonaro pela coragem em sancionar um projeto que protege um publico tido e apontado [pela esquerda] como sua oposição.
0 comments
0 comments