Se você fosse diagnosticado com diabetes hoje, por quanto tempo conseguiria seguir uma dieta restritiva sem açúcar? Uma vez fiz um desafio com meus amigos de ficar 30 dias sem consumi-lo e, ao final dele, eu já estava implorando pelos meus docinhos de volta. Em 2009, o pai do mexicano Javier Larragoiti foi diagnosticado com diabetes tipo 2 - e passou a ter dificuldades em lidar com a orientação dada pelos médicos de não consumir açúcar. No México, 85% da população consome acima do que a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda. "Ele nunca parou de consumir açúcar e foi justamente isso que me motivou a gerar uma opção saudável e atraente, porque o sabor dos substitutos que já estão no mercado, como a sucralose e a estévia, acabam não convencendo as pessoas", conta Javier Larragoiti. Larragoiti, de 28 anos, teve a ideia de aproveitar os estudos na faculdade de engenharia química para procurar uma alternativa ao açúcar - que fosse diferenciada do resto no sabor e no preço. Com a ajuda de sua irmã Yonuen, que é dentista e já estudava a substância para o seu TCC, o engenheiro descobriu o xilitol, que é, acima de tudo, um adoçante natural. Apesar de ter sabor muito similar ao açúcar, o xilitol ainda não tinha se tornado popular no mercado e o motivo para isso é que ele era muito caro. Foi na busca por uma forma mais econômica de produzir xilitol que o jovem resolveu apostar em um substituto para a bétula: resíduos orgânicos. A equipe de Larragoiti se voltou para pequenos agricultores e chegou, assim, ao resíduo perfeito: o "olote" (restos do milho). O resultado dos esforços de Larragoiti e sua equipe é um xilitol que custa US$ 2,4 por quilo (cerca de R$ 9,2), comparado aos US$ 6 (mais ou menos R$ 23) com origem na bétula. E a ideia é baixá-lo para US$ 1 (R$ 3,9) por quilo, para que o preço fique mais próximo ao do açúcar. "Meu pai sempre diz que tem muito orgulho e usa o produto diariamente. E a melhor mudança é que, como para ele o sabor é como o do açúcar, ele não sente mais a necessidade de trapacear na dieta." Final feliz para quem tem uma dieta restritiva, mas continua sendo uma formiguinha que adora doces :)
1 comment
1 comment