A Reforma da Previdência, que segundo o superministro da economia Paulo Guedes, é o entrave ao crescimento econômico nacional, do momento, e tornou-se a grande pauta da agenda econômica do Governo de Jair Bolsonaro. Engraçado, que a mesma associação foi feita no período de votação da Reforma trabalhista e aqui estamos aguardando o que foi prometido. Venho reiterar que economia é política (e a política atende a interesses). Nesse caso, toda a decisão política deve ser amplamente, e democraticamente, debatida (à luz da Constituição de 88). Como se não bastasse a Reforma Trabalhista ( que veio para precarizar e retirar os direitos do trabalhador, sob o argumento de modernização) que atendeu em primazia o interesse do empresariado. O argumento do déficit previdenciário, amplamente anunciado, e refutado por especialistas, se perde diante da tentativa de retirar da pauta constitucional, a questão do Sistema de Seguridade Social (Saúde, Previdência e Assistência Social), colocando à disposição do mercado financeiro via criação de um sistema de capitalização (sistema que sequer sabemos o custo). É a retirada da responsabilidade social do Estado nesses temas. Sou contra.
0 comments
0 comments