Pegue o diâmetro de um fio de cabelo. Diminua mais. Pegue uma célula humana. Diminua mais ainda. Ainda não chegamos ao tamanho de um nanômetro: é um bilionésimo de metro! Mesmo que microscópicas, essas estruturas nanométricas estão presentes na nossa vida. Uma tecnologia desenvolvida por pesquisadores da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da USP é capaz de gerar hologramas de alta qualidade. Ou seja, tais nanoestruturas transmitem com maior intensidade o laser que incide na superfície, por são feitas de silício. Isso faz com que as imagens sejam mais definidas, tridimensionais e sem os chamados “fantasmas”. Impressionante!
2 comments
2 comments