=Microeconomia= A microeconomia trata do comportamento das unidades econômicas individuais, sendo essas consumidores, trabalhadores, investidores, proprietários de terra, empresas ou seja, basicamente qualquer indivíduo ou entidade que tenha participação no funcionamento de nossa economia. Em termos genéricos, comumente denominados como os agentes econômicos. Em síntese, a micro explica como e por que essas unidades tomam decisões econômicas. Por exemplo, esclarece como os consumidores tomam decisões de compra e de que forma suas escolhas são influenciadas pelas variações de preços e rendas (decisões de consumo das famílias), no que tange também a maneira como as empresas determinam o número de funcionários que contratarão (decisões de investimentos e de uso dos fatores de produção) e como os trabalhadores decidem, onde e quanto tempo trabalhar. A teoria econômica presume que esses agentes são, em sua maioria, racionais na alocação dos recursos. É analisado o processo de tomada de decisão de consumo pelas famílias (formação das expectativas de consumo), que são determinados por aspectos conjunturais (macroeconômicos), preferências (aspectos subjetivos) e renda. As interações entre as empresas, que resultam nas unidades maiores, os mercados e indústrias, cujas decisões de investimentos também são resultantes de uma realidade macroeconômica, conjuntural e de disponibilidade de fatores de produção (tendo em vista a maximização do lucro, ao aplicar a racionalidade econômica). Em termos práticos, ela explica como são determinados os preços dos automóveis, quanto as empresas automobilísticas investem em novas fábricas e quantos automóveis são produzidos a cada ano. Basicamente, a teoria microeconômica teoriza sobre o comportamento dos agentes econômicos e pode ser considerada como a teoria fundamental da economia, haja vista que a sua diferença em relação à macroeconomia, que é uma análise agregada desses agentes, avaliando-se as tendências nos mercados. Em grande parte, a teoria microeconômica trata de limites, renda limitada que os consumidores podem gastar em bem e serviços, de orçamentos e tecnologias limitadas que as empresas podem empregar para produzir bens, do número limitado de horas que os trabalhadores podem dedicar ao trabalho ou ao lazer. Nesse sentido, aborda também as premissas de maximização e otimização dos recursos (que são escassos e limitados). Por meio dos estudos, do comportamento e da interação entre empresas e consumidores, nesse ramo da economia, pode-se revelar à luz da teoria econômica como os setores e os mercados operam e se desenvolvem, ou seja, sua sistêmica e dinâmica, e o porquê são diferentes entre si, e como são influenciados pelas políticas governamentais e condições econômicas globais. Tal fato evidencia a relação entre economia e política, já que fica evidente que os agentes respondem a estímulos, por exemplo por meio das políticas econômicas. PINDYCK, Robert; RUBINFELD, Daniel. Introdução: mercados e preços. In: PINDYCK, ROBERT ; RUBINFELD, DANIEL. MICROECONOMIA. SÃO PAULO: PEARSON, 2013.
0 comments
0 comments