Polemicazinha para começar a terça. O Sinticado dos Diretores dos Estados Unidos - conhecido como Directors Guild of America (DGA) tomou uma importante decisão na última semana: só podem ser indicados ao prêmio principal do sindicato obras que sejam lançadas no cinema ANTES de serem lançadas em serviços de streaming. É uma resposta, claro, à recente onda de longas-metragens que vão direto para plataformas como a Netflix e Amazon Prime, ainda que, simultaneamente, sejam lançadas nos cinemas também. É exatamente o caso de "Roma", um dos mais elogiados filmes do ano passado, favorito ao Oscar (acabou perdendo para "Green Book"). Segundo a decisão do DGA, os filmes devem ficar pelo menos sete dias em cartaz, exclusivamente no cinema, antes de irem para os serviços de streaming. O objetivo seria preservar "a importância cultural da experiência cinematográfica". Hum. Eu entendo essa questão da preservação da experiência de ir ao cinema. E, ao mesmo tempo, também entendo que filmes como "Roma" só se tornaram acessíveis para o grande público por que foram parar justamente em serviços de streaming. Parece ter um quezinho de perseguição, esta decisão. Lembrando que todos os sindicatos - dos atores, dos roteiristas, dos produtores, e também dos diretores - premiam, anualmente, seus favoritos. É muito comum o vencedor do DGA ser um grande favorito - e frequentemente ganhar - ao Oscar. Foi exatamente isso que aconteceu no ano passado, inclusive.
0 comments
0 comments