=Mercado competitivo, perfeitamente competitivo= Em linhas gerais, parte-se de uma situação na qual os preços são determinados pelas interações no mercado, a partir de um equilíbrio entre a oferta e a demanda. _“Um mercado perfeitamente competitivo possui muitos compradores e vendedores, de tal modo que nenhum comprador ou vendedor pode, individualmente, influir no preço. Os mercados de produtos agrícolas, na maioria das vezes, chegam perto de ser perfeitamente competitivos. Muitos outros mercados são competitivos o suficiente para serem tratados como se fossem perfeitamente competitivos”. (PINDYC, RUBINFELD; 2013; pág. 8-9)._ =Por que os mercados falham?= Sabe-se na prática que s mercados competitivos presentam falhas na alocação de determinados bens e serviços, o que na maioria das vezes leva à geração de externalidades negativas à economia, nesse caso, é levantada a questão da eficiência alocativa, pois _“Há duas interpretações diferentes das condições exigidas para que haja eficiência. A primeira enfatiza que os mercados competitivos funcionam. E nos diz também que é necessário assegurar que os requisitos de competição vigorem, de tal modo que os recursos possam ser eficientemente alocados. A segunda enfatiza que os pré-requisitos para a competição provavelmente não se sustentarão nas maneiras de tratar as falhas do mercado. Até aqui, enfocamos a primeira interpretação. Os mercados competitivos apresentam falhas devido a quatro razões básicas: poder de mercado, informações incompletas, externalidades e bens públicos.” (PINDYC, RUBINFELD; 2013; pág. 617-618)._ Nesse sentido, serão apontadas as razões determinantes para o surgimento das falhas de mercado. A começar pela questão do poder de mercado, segundo PINDYC e RUBINFELD (2013), situação na qual o produtor determina a quantidade produzida (ao igualar a receita marginal, em vez do preço, o custo marginal) e vende uma quantidade menor por um preço mais elevado, se comparado ao preço praticado em um mercado competitivo. As informações incompletas são determinantes, pois não garantem eficiência, já que a falta de informações exatas a respeito dos preços de mercado ou da qualidade do produto e a falta de informações pode estimular por exemplo, produtores a ofertar quantidades excessivas de determinados produtos e quantidades insuficientes de outros. As externalidades também configuram essas falhas, pois ocorrem quando uma atividade de produção ou de consumo tem um efeito indireto sobre outras atividades de consumo ou de produção, que não se reflete diretamente nos preços de mercado. O bens públicos, representam a última fonte de falha, uma vez que os mercados ofertam quantidades insuficientes de bens públicos, dado que, são mercadorias que podem ser disponibilizadas a baixo custo para muitos consumidores, mas, assim que ela é ofertada para alguns, torna-se muito difícil evitar que outros também consumam. PINDYCK, Robert; RUBINFELD, Daniel. Aspectos preliminares. In: PINDYCK, Robert; RUBINFELD, Daniel. Microeconomia. São Paulo: PEARSON, 2013. PINDYCK, Robert; RUBINFELD, Daniel. Equilíbrio geral e eficiência econômica. In: PINDYCK, Robert; RUBINFELD, Daniel. Microeconomia. São Paulo: PEARSON, 2013.
0 comments
0 comments