Espiritualismo é uma denominação comum a várias doutrinas filosóficas e/ou religiosas, e tem como fundamento básico a afirmação da existência do espírito (ou alma) como elemento primordial da realidade[1][2], bem como sua autonomia, independência e primazia sobre a matéria[3]. É o contrário de materialismo, que só admite a existência da matéria. Afirma a existência de uma alma imortal no homem, isto é, de um princípio substancial distinto da matéria e do corpo, razão absoluta de ser da vida e do pensamento. Em sentido mais amplo, doutrina que, além da tese referida, reconhece a existência de Deus, a imortalidade da alma e da existência de valores espirituais ou morais que são o fim específico da atividade racional do homem. O termo espiritualismo, atualmente, é utilizado para denominar uma variedade enorme de religiões, sistemas filosóficos, doutrinas, crenças e seitas. Cada qual apresentando características próprias e regras particulares. Possuindo, em comum, o fato da crença na preponderância do mundo espiritual sobre o mundo material. Nos países de língua inglesa, o termo espiritualismo é usado como sinônimo de espiritismo, no sentido de em "espiritualismo experimental"[4]. No início do século XIX, também era usado a expressão "espiritualismo moderno" para identificar aquilo que foi nomeado de espiritismo por Allan Kardec em 1857. Todo espírita é necessariamente espiritualista; mas pode o espiritualista não ser um espírita. As escolas esotéricas também podem ser classificadas como espiritualistas, ao se dedicarem a assuntos que dizem respeito a aspectos sutis da natureza. No entanto, os conhecimentos esotéricos são transmitidos a pessoas que se preparam para tal fim, conhecidas como iniciados[3]. A maçonaria e algumas vertentes da rosa-cruz são grupos espiritualistas esotéricos, ou seja, transmitem seus conhecimentos apenas para os iniciados em suas doutrinas. O protestantismo e o espiritismo[5], por outro lado, têm seus conhecimentos divulgados de modo irrestrito, aberto e universal para todos aqueles que se interessem. A teosofia e a umbanda têm aspectos tanto esotéricos, quanto exotéricos. Em oposição ao espiritualismo, o materialismo sustenta que a única coisa da qual se pode afirmar a existência é a matéria, e que, fundamentalmente, todas as coisas são compostas de matéria e todos os fenômenos são o resultado de interações materiais, sendo a matéria a única substância existente[6].
0 comments
0 comments