Cientistas do Francis Crick Institute, Londres, realizaram uma técnica chamada de “blobologia” para criar vídeos sobre o funcionamento interno do corpo em um nível de detalhamento jamais visto antes. O termo cunhado pelos críticos diz respeito às imagens resultantes, que são uma espécie de manchas ou bolhas (blobs, em inglês). É uma técnica refinada da microscopia crio-eletrônica (crio-ME). Para chegar a tal, foi um conjunto de melhorias na tecnologia de câmera, processamento de imagem, computação e redução de custo. Isso transformou a "blobologia" em "ultra-definição-3D-videologia". Esses vídeos (disponíveis na reportagem) podem abrir caminho para o desenvolvimento de melhores remédios para doenças infecciosas, como gripe, HIV/Aids, até Alzheimer e Parkinson. O biofísico Peter Rosenthal afirma, a respeito: _“É como ver como todas as diferentes partes de uma orquestra tocam para formar uma música. Podemos aprender, em detalhes, como os processos nas células funcionam e o que acontece quando algo dá errado e causa doenças."_
2 comments
2 comments