Luiz Felipe Scolari não é mais o técnico do Palmeiras. O clube anunciou oficialmente a demissão do treinador e da atual comissão técnica na noite desta segunda-feira, após reunião da diretoria. Assim, os auxiliares Paulo Turra e Carlos Pracidelli também deixam seus cargos no alviverde. Felipão não resistiu à pressão em função dos resultados ruins da equipe recentemente. Na última semana, o Palmeiras foi eliminado pelo Grêmio da Libertadores jogando em casa, no Pacaembu. O cenário ficou ainda pior depois do sonoro 3 a 0 sofrido ontem contra o Flamengo, no Maracanã, em partida válida pela 17ª rodada do Brasileirão. Com a derrota, o Verdão aumenta o jejum para sete jogos sem vencer no campeonato. Líder até a parada para a Copa América, a sequência negativa derrubou o Palmeiras para a quinta posição. Essa foi a terceira passagem de Felipão no clube, onde foi campeão da Copa do Brasil de 1998 e 2012, da Copa Mercosul de 1998, da Libertadores de 1999, do Torneio Rio-São Paulo de 2000 e do Campeonato Brasileiro de 2018. O mais estranho é que na última quinta-feira a diretoria alviverde convocou uma coletiva de imprensa para bancar a permanência do treinador. O fato aconteceu após a eliminação na Libertadores diante do Grêmio, na derrota de virada por 2 a 1, que iniciou as especulações sobre uma possível demissão do técnico. A “garantia” do alto escalão do Palmeiras não durou quatro dias sequer, o que parece ser mais um sinal da incompetência para gerir o elenco mais caro e recheado do país, com uma folha salarial em torno de R$ 9 milhões mensais. E agora paira mais uma incerteza: quem será o novo comandante do Verdão?
2 comments
2 comments