=Pokémon Sword and Shield: Os erros da franquia consolidada= Pokémon é uma das franquias mais conhecidas do mundo, até mesmo quem não tem interesse em games sabe do que se trata. Lançada em 1996 no Japão, a franquia é uma das mais rentáveis na indústria de games e seus sinais de desgaste são ínfimos comparado a franquias que tentam competir diretamente com ele, como Yokai Watch e Digimon. Porém, recentemente, uma polêmica paira em um de seus próximos jogos para ser lançado ainda em 2019, causando certa “ira” dos fãs. A empresa responsável pela produção do game principal, a Game Freaks, sempre teve um modelo bem característico de lançar seus jogos: eles criam dois games similares, mas com pokémons disponíveis entre eles; e depois de um certo tempo, é lançado um terceiro game com os mesmos padrões, porém com algum diferencial comparado a seus antecessores como uma nova história, uma nova mecânica, uma interação diferenciada, entre outros. É um tipo de modelo de negócio que há seus prós e contras, mas não há nada que contrarie os fãs já que o conceito do game sempre foi a interação dos jogadores para que eles troquem uns com os outros para completar a Pokédex (uma espécie de enciclopédia de todos os pokémons existentes). Esse modelo nunca mudou durante todos esses anos, exceto em seus spin-offs, mas as polêmicas não são da forma com que eles insistem nesse estilo de comercialização, e sim nos modelos reaproveitados de jogos anteriores. Texturas, modelos reaproveitados, animações simplórias e pokémons completamente excluídos estão colocando a estabilidade da empresa em cheque, visto que a Pokémon Company nunca mudou seu desenvolvedor. Os problemas foram observados pelos mais atentos numa demo apresentada ao público, onde alguns compararam a textura de uma das árvores a texturas implementadas de games de décadas atrás (alguns chegando a comparar a jogos da época do Nintendo 64, lançado em 1996), além de que modelos usados na geração passada foram apenas polidos para uma versão HD, nem os ciclos de animação mudaram. Pode parecer algo bobo para os menos informados, mas estamos falando da portabilidade de um game que sempre esteve em consoles portáteis menos potentes para um console mais poderoso, que consegue maior qualidade de som, imagem e leitura mais rápidos; algo como tirar um xerox de um documento oficial: os dados e imagens estão lá, mas a qualidade não é a mesma. E gambiarras sempre foram presentes no mundo dos games (basta digitar na pesquisa “Fallout 3 Tain NPC” e vocês vão conseguir entender o que estou dizendo), mas estamos falando de um produto novo que simplesmente não teve mudanças quanto aos antecessores, tudo isso vendido a um preço bastante salgado de R$250,00, cerca de R$70,00 mais caro que o seu antecessor Pokémon: Ultra Sun/Ultra Moon. No ciclo de vida do produto, todos passam por 5 etapas de sua vida no mercado: Desenvolvimento, Introdução, Crescimento, Maturidade e Declínio. Usando como exemplo a franquia Pokémon, seu desenvolvimento começou na década de 90, quando se baseou no conceito das máquinas gashapon, que armazenava brinquedos em esferas de plástico, similar a pokébola (de onde se originou seu nome, já que Pokémon é uma redução de Pocket Monsters, traduzindo significa “monstros de bolso”). Sua introdução em 1996 foi um sucesso, se tornando um dos games mais populares do Japão e acabou havendo uma necessidade de expandir seu alcance para outros locais do mundo. Seu crescimento teve um grande incentivo a sua publicidade, introduzindo ao mercado uma animação, filmes, revistas, lojas especializadas, parques temáticos, fansites, entre outras formas de divulgação. Sua maturidade está ainda em níveis bastante populares, o que exige novos games para manter o interesse pelos adoráveis monstrinhos. Há quem diga que a fórmula está gasta e outros dizem que a fauna do universo Pokémon pode não ter fim, mas os diversos indícios de desgaste na produção exigem mudanças drásticas. Em um período em que os jogadores sempre esperam cada vez mais novidades e refletem em quanto vale gastar por tal produto, vender algo que parece datado na presença de tantos concorrentes excelentes pode colocar até mesmo a franquia mais amada do mundo entre a cruz e a espada.
0 comments
0 comments